• 07 Nov 2018
  • Antonio

UFPE aprova criação do Centro de Ciências Médicas (CCM) - Faculdade de Medicina


O Conselho Universitário da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) aprovou, na última quarta-feira (31), a criação do Centro de Ciências Médicas (CCM) – Faculdade de Medicina, no Campus Recife. A proposta já havia sido aprovada pelo Conselho Departamental do Centro de Ciências da Saúde (CCS), do qual fazem parte atualmente os sete departamentos do ciclo profissional de formação médica. O CCM será abrigado no prédio da Faculdade de Medicina, inaugurado em março de 2017.

De acordo com o pró-reitor para Assuntos Acadêmicos (Proacad), Paulo Goes, a mudança surgiu da necessidade de repensar o curso de Medicina do Campus Recife e de adequá-lo às diretrizes do Ministério da Educação (MEC). Houve um trabalho conjunto entre colegiado, departamentos e Núcleo Docente Estruturante (NDE), além de seminários com os estudantes que resultaram em um documento de mais de 500 páginas. “Fizemos diversas escutas com os vários atores envolvidos”, explicou.

Segundo o ex-coordenador de Medicina, professor Sílvio Caldas, que trouxe a proposta, o fato de o curso contar com sete departamentos – Cirurgia, Materno-Infantil, Medicina Clínica, Medicina Social, Medicina Tropical, Neuropsiquiatria e Patologia – trouxe dificuldade para reformar a graduação. “Cada curso precisa de uma instância administrativa para resolver seus problemas”, afirmou. Agora, eles passam a ser áreas acadêmicas em vez de departamentos e os docentes passam a ser vinculados diretamente ao centro.

Caldas destacou também a complexidade da formação médica, que conta com cerca de 230 professores e 840 alunos na graduação, além de oferecer residência médica, atuar em serviços hospitalares e trabalhar com 14 hospitais, oito Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e 24 unidades do Programa Saúde da Família (PSF). “A fragmentação prejudicava o curso. Os dez melhores cursos de Medicina do Brasil, de acordo com o Ranking Universitário Folha (RUF), são amparados por estrutura administrativa própria”, disse.

O relator da proposta, professor André Luís de Medeiros Santos, diretor do Centro de Informática (CIn), ressaltou que o tema foi bastante debatido ao longo dos últimos anos e que o novo modelo trará um ganho de eficiência considerável. “O objetivo fundamental é a mudança do modelo de gestão da Medicina da UFPE, visando dar à coordenação do curso de graduação e ao seu colegiado a autonomia e poder necessários à condução de um processo de modernização do seu projeto pedagógico”, escreveu o relator, no parecer.

A resolução defende “a necessidade de aperfeiçoamento do modelo administrativo-pedagógico do processo de formação médica, contemplando as novas diretrizes de ensino, que visam ao estímulo da capacidade crítica e reflexiva do profissional da Medicina, além de sua maior integração ao Sistema Único de Saúde”. Participaram da reunião representantes do Diretório Acadêmico de Medicina Umberto Câmara Neto (Damuc) e do Fórum de Diretórios Acadêmicos do Centro de Ciências da Saúde (CCS).

HISTÓRICO – Inaugurado em 16 de julho de 1920, o curso de Medicina foi criado como Faculdade de Medicina do Recife. Na reforma administrativa de 1964, passou a fazer parte do CCS. A estrutura departamental foi criada na Reforma Universitária de 1970. O ciclo básico é realizado em outros seis departamentos do Centro de Biociências (CB): Anatomia; Biofísica e Radiobiologia; Bioquímica; Fisiologia e Farmacologia; Genética; e Histologia e Embriologia.

Fonte/foto: Agência UFPE